PDT X PSDB: Roberto Rocha tem suas razões

PDT X PSDB: Roberto Rocha tem suas razões: " FONTE: Décio Sá

Não tenho nenhum motivo para defender o PSDB ou o deputado federal Roberto Rocha. Muito pelo contrário. Ele está até me processando nos tribunais de Brasília só porque reproduzi aqui matérias do Congresso em Foco, O Globo, Folha e Estadão sobre a farra de passagens na Câmara onde uma pessoa ligada a seu gabinete aparece como um dos operadores do esquema.


Roberto Rocha 15042010Mas é preciso colocar alguns pontos nos “is” nessa história de Roberto (foto) estar puxando o PSDB para uma candidatura própria ao Governo do Estado, contrariando o PDT que quer uma aliança em torno do cassado Jackson Lago.


Na verdade, o PDT e Jackson sempre usaram o PSDB e, principalmente o PPS, como linha auxiliar de seus projetos políticos no Estado. Nunca deram contrapartida política alguma. Essa história de eleição dos prefeitos Sebastião Madeira (Imperatriz) e João Castelo (São Luís) é balela porque as pesquisas mostravam a vitória tranquila dos dois em 2008. O então governador e o PDT só aproveitaram a situação.


Acho que não se pode criticar o deputado, presidente do PSDB do Maranhão, por querer levar a agremiação que dirige a uma candidatura majoritária. Isso desde que esse projeto seja realmente nobre.


Em relação a Roberto, basta recordar alguns fatos para ver estar ele coberto de razão. São muitas provas de lealdade e companheirismo ao PDT, e principalmente a Jackson. Contrapartida: zero. Senão vejamos.



Em 2002, ele renunciou a disputa ao Palácio dos Leões para tentar fazer Jackson vencedor daquela eleição no primeiro turno. Deu José Reinaldo, então no PFL, hoje DEM. Quatro anos depois o tucano ignorou a candidatura ao governo do colega do PSDB, o enrolado Aderson Lago, e entrou de cabeça na campanha do pedetista desde o primeiro turno. Elegeu-se o parlamentar mais votado do Estado, e continuou sendo peça chave na cooperativa de partidos da chamada “Frente de Libertação”, levando Jackson à “vitória” contra Roseana Sarney (PMDB).



Não se tem notícia que ele tenha dado trabalho ao então governador eleito no que diz respeito à exigência de cargos. O tucano tinha as suas demandas, mas nada que chegasse perto dos esquemas milionários que marcaram a gestão pedetista no Palácio dos Leões.


Aí vieram as eleições de 2008 e o PDT “pagou” a fatura para Roberto. Como? Lançando candidatos pedetistas em tudo que era base eleitoral do presidente do PSDB. O caso mais emblemático foi Balsas, com Chico Coelho, já filiado ao PDT, enfrentando e derrotando Luiz Rocha Filho, o Rochinha (PSDB), irmão do deputado.



Tem mais. Durante todo o processo de cassação do mandato de Jackson no TSE, Roberto foi um dos mais entusiasmados “advogados de defesa” do pedetista. Na busca de apoios, articulou conversas do então governador com o ex-presidente Fernando Henrique e o governador José Serra (SP).


Agora mais uma vez Jackson e o PDT querem fazer o deputado e o PSDB de “bucha de canhão”, oferecendo-lhe a vice na combalida chapa do governador cassado. Um verdadeiro “presente de grego”.


Não foi à toa que o senador Epitácio Cafeteira (PTB) apelidou essa turma de “Frente da Traição”.

"

Comentários

  1. Jackson já demonstrou que é um grande corrupto. O que faz cara de bom velhinho e come pelas beiradas. Sorte a do Rocha que está se libertando dessa tal de frente de libertação, que só aprisionou o estado no governo JL.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentando os Fatos, uma nova forma de divulgar conteúdo com credibilidade.
Os nossos esforços se concentram no sentido de acrescentar ao nosso publico informações diferenciadas, aquele algo mais que ainda não foi dito, ou ainda não foi mostrado, noticias todos divulgam, o diferencial da informação está aqui em Comentando os fatos, credibilidade sempre em primeiro lugar.

Postagens mais visitadas deste blog

Pepe Moreno: e o cego com três filhos aleijados

Faça uma doação para o Brechó Solidário do Centro de Defesa Pe. Marcos Passerini

Expressões da violência no Maranhão serão debatidas em São Luis no Dia Internacional dos Direitos Humanos