Sarney: O Ícone da História Maranhense




Nestes 400 (quatrocentos) anos de São Luís, poderíamos homenagear ilustríssimas pessoas da sociedade maranhense. Dentre elas, que fizeram história no Maranhão como: Maria Aragão, que representa e identifica bem a mulher maranhense. Na música, como poderíamos esquecer-nos das canções de Alcione, a "marrom", grande sambista amado por todos de São Luís. Poetas, como: Josué Montello, Ferreira Gullar, e o mais apaixonados de todos, sem dúvida é o autor de canção do exílio: Gonçalves Dias, quem nunca se emocionou ao ler seus versos? A vontade imensa de recitá-lo: "Minha terra tem palmeiras, Onde canta o Sabiá; As aves, que aqui gorjeiam, Não gorjeiam como lá... Não permita Deus que eu morra, Sem que eu volte para lá; Sem que desfrute os primores Que não encontro por cá; Sem qu'inda aviste as palmeiras, Onde canta o Sabiá". 

No entanto, é de se ressaltar que José Ribamar Ferreira de Araújo Costa, mais conhecido como José Sarney, nome pelo qual adotou do seu pai José Sarney Costa, do qual se utiliza e atualmente como é conhecido. Nasceu em Pinheiro (MA), no dia 24 de abril de 1930, advogado, professor, poeta e jornalista. Pelo qual obteve passagem como repórter no jornal O Imparcial. Ingressou na política aos 24 anos de idade no pleito de outubro de 1954, quando se candidatou como quarto suplente de deputado federal por seu estado na legenda do Partido Social Democrático (PSD). 

Isso era apenas um começo de uma historia e uma trajetória de sucesso, pois em 1965 elegeu-se governador do Estado do Maranhão com 121.062 votos conquistados. Em 1985, entrou de vez para historia do Maranhão e do Brasil ao eleger-se um dos poucos nordestinos senão o único até então, a ser eleito presidente da Republica. Ademais, José Sarney não se destacou apenas pela sua trajetória política, mas por ser também um grande poeta e escritor. Como diria um dos grandes pensadores mexicanos, Octavio Paz: "José Sarney poeta e defensor da liberdade." Com o "O Dono do Mar" (1995), sua obra foi de tão grande sucesso que foi publicado e traduzido em quatro línguas estrangeiras: em francês, inglês, romeno, espanhol. 

Naturalmente, José Sarney, não conquistou apenas leitores na poesia, mas também inúmeros poetas. Como: Nauro Machado, Ferreira Gullar e o grande amigo e saudoso Bandeira Tribuzi, com quem durante 30 anos obteve sua amizade e lealdade. Demonstrando ser um grande amigo, quando enfrentou o governo e o militarismo de Castelo Branco. Embora alguns questionem sua trajetória na política, é inegável dizer, que ele é o grande símbolo do Maranhão. E um dos maiores políticos da historia maranhense. Acredito que muitos têm uma visão distorcida sobre Sarney, por ser uma pessoa serena e humilde e ter uma carreira de sucesso e uma família estruturada e sólida. 

Isso incomoda deixa alguns políticos intrigados. Dificilmente na política surgirá outra pessoa com o perfil de José Sarney, assim como no humor de Chico Anysio, Grande Otello e Oscarito. Na Bossa Nova: Tom Jobim, João Gilberto. No futebol: Pelé, Garrincha. Na arte: Tarsila do Amaral e Di Cavalcanti. Talvez daqui há uns 100 anos. Quem sabe?


FABRÍCIO FERREIRA
Graduado em Direito, pesquisador e escritor

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pepe Moreno: e o cego com três filhos aleijados

Expressões da violência no Maranhão serão debatidas em São Luis no Dia Internacional dos Direitos Humanos