Carnaval do Maranhão movimenta São Luís a partir de quinta (16)


A despedida das prévias carnavalescas marca este domingo (12) para dar espaço a uma festa ainda mais grandiosa. Está confirmado para começar na quinta-feira (16), o Carnaval – 400 Anos, promovido pelo Governo do Estado, que este ano traz o slogan “Abre Alas Brasil que o Maranhão está chegando”. Realizada pela Secretaria de Estado de Cultura (Secma), a folia momesca acontece, inicialmente, no Centro Histórico, mas se estenderá, também, pelo Circuito Deodoro/Cajazeiras/Madre Deus.
Os primeiros dois dias de festa serão em um único espaço: o Centro Histórico. Na quinta-feira (16), os grupos carnavalescos e artistas maranhenses se apresentarão no Canto da Cultura e na Praça Nauro Machado. “Teremos ainda o Cortejo Carnavalesco, quando grupos se concentram na Praça Deodoro e descem para a Praia Grande”, adiantou a coordenadora de Carnaval de Rua da Secma, Márcia Renata.
Na sexta-feira (17), além do Cortejo Deodoro/Praia Grande, a folia acontece em quatro pontos: Praça Nauro Machado, Casa do Maranhão, Canto da Cultura e Praça da Faustina. A partir do sábado (18), a programação do Carnaval será estendida ao Circuito Deodoro/Cajazeiras/Madre Deus, que inclui pontos já consagrados em São Luís. Entre eles, estão a Casa das Minas, Rialto e o Canto de Santana (Rua do Passeio).
Na Madre Deus, os grupos também passarão pela Vila Gracinha, Praça da Saudade, Ponto do Gavião, Ponto do Meio, Ponto de Fuga, Portal do Ceprama e seguirão para a Casa das Minas, onde finalizam as apresentações, das quais participarão blocos Tradicionais, Alternativos, Organizados e Afros; Tribos de Índio; Escolas de Samba; e grupos de Tambor de Crioula. Nos palcos montados nos pontos da folia se apresentarão, além desses grupos, cantores e bandas maranhenses.
Saldo das prévias
Foram quatro finais de semana de pré-Carnaval. Em todos eles, o roteiro de programação incluiu a Praça Deodoro (de onde, às sextas, descia o Cortejo Carnavalesco rumo ao Centro Histórico); a Praia Grande (aos sábados) e a Madre Deus e os Espaços Vivas (aos domingos). A festa movimentou oito bairros de São Luís: Anjo da Guarda, Bairro de Fátima, Cidade Operária, João Paulo, Liberdade, Maiobão, Vila Palmeira e Liberdade e Estiva.
Segundo o supervisor do Espaço Viva da Vila Embratel, Carlos Cunha, as apresentações no local foram sempre acompanhadas de intensa participação do público. “Temos um histórico de envolvimento popular nas festas que acontecem no espaço Viva daqui. Este ano, não foi diferente. Tivemos uma prévia tranquila, com muita gente brincando e assistindo às apresentações, que foram excelentes”, afirmou.
Na Liberdade, a participação popular também marcou os dias de pré-carnaval no Espaço Viva. “A programação foi muito bem aceita pelas pessoas. Houve dias, em determinadas apresentações, que o espaço ficava lotado, mas sempre muito tranqüilo, em clima de festa”, garante o supervisor do local, Rafael França.

Sucesso
De acordo com Márcia Renata, este ano, a participação popular nas apresentações em todos os pontos da folia foi maior que ano passado, quando já foi registrado uma ampliação no número de foliões. “Em geral, as sextas-feiras registram muitos frequentadores na Praia Grande e, com a programação do pré-Carnaval, esse número aumentava. Pudemos perceber que as pessoas vinham ver as apresentações também aos sábados, por conta do sucesso da sexta-feira. Isso comprova que o formato da grade de apresentações adotado pela Secretaria de Cultura vem se consolidando como um sucesso”, afirmou.
O superintendente de Ação e Difusão Cultural, Wellington Reis, revelou que a inclusão do Centro Histórico no circuito da folia vem sendo adotado desde 1998. “As pessoas estão acostumadas a buscar a Praia Grande quando o assunto é cultura. Daí o sucesso das apresentações no local e por isso incluímos o local na programação dos dias oficiais de Carnaval”, salientou.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pepe Moreno: e o cego com três filhos aleijados

Expressões da violência no Maranhão serão debatidas em São Luis no Dia Internacional dos Direitos Humanos