Brutalidade - Assassinato brutal de professor de educação física abala Santa Inês-MA

Brutalidade - Assassinato brutal de professor de educação física abala Santa Inês-MA 






Juvenilson Oliveira Veloso era goleiro de Seleção de Futsal da cidade e
uma pessoa muito querida pela população

Um assassinato com características de execução, mas que pode ter sido apenas mais um latrocínio registrado em Santa Inês. O fato é que a morte cruel e brutal do conhecido professor de educação física e goleiro de Seleção de Futsal da cidade, de nome Juvenilson Oliveira Veloso, registrado na noite de quinta para sexta-feira, chocou a cidade de Santa Inês e abalou toda a sociedade. O professor tinha apenas 33 anos e foi encontrado morto na manhã de sexta-feira, 3, nas proximidades da Polícia Rodoviária Federal – PRF, em um caminho que dá acesso à BR-316, fundos do posto da PRF.
Segundo informação da família passada ao Agora, ele havia saído de sua residência localizada na Rua do Cajueiro, Centro, por volta das 19:30 de quinta-feira para receber um dinheiro de sua mãe no Posto 7, que fica depois do posto da PRF na BR-316 sentido Bacabal. “Ele saiu de casa e disse: ‘Vou só buscar o dinheiro, me esperem para jantar”, e não voltou mais, contou sua esposa para a reportagem. Ela disse ainda que esperou até às 22h quando desconfiada de que algo de errado tivesse acontecido, procurou a polícia para lhe ajudar nas buscas, já que, segundo ela, seu marido não fumava, não bebia e não gostava de sair sem avisar, porém teria ouvido da polícia que era melhor aguardar um pouco mais, uma vez que em casos assim as autoridades de segurança só agem quando são passadas 24 horas. Foi aí que ela e mais alguns amigos da vizinhança resolveram sair em busca de Juvenilson. Até por volta das 2 da madrugada a cidade inteira foi vasculhada sem que alguém desse notícia do professor. A mulher dele teria ficado a noite acordada esperando alguma notícia.
CORPO FOI ENCONTRADO AO AMANHECER
O corpo do professor foi encontrado por volta das 6h da manhã de ontem,
sexta-feira, pela PRF no desvio que fica por trás do posto da PRF

O corpo do professor foi encontrado por volta das 6h da manhã de ontem, sexta-feira, pela PRF no desvio que fica por trás do posto da PRF, local tido como perigoso devido a escuridão e o matagal, o que facilita o trabalho de marginais. Junto dele estava sua moto com a chave na ignição, telefone celular e outros pertences. Não foram encontrado os R$ 300 reais que ele teria recebido no Posto 7. Juvenilson estava com os punhos amarrados, com marcas que denunciavam ele ter recebido pauladas por várias partes do corpo e ter lutado para não ser morto, e uma perfuração de bala nas proximidades da virilha, tudo levando a crer que ele, devido ao seu porte físico, tenha sido morto por dois ou mais marginais.
POLÍCIA INVESTIGA
A polícia acredita que Juvenilson possa ter sido vítima de assalto na estradinha que serve de desvio para quem não quer ser abordado pelos homens da PRF. A moto do professor estava sem placas. No local onde foi encontrado o corpo dele já foram registrados outros casos de assaltos. Ele pode ter reagido a um assalto cometido por vários elementos, tendo com eles combate corporal. Imagina-se que sem conseguir segurar a vítima, os assaltantes dispararam um tiro contra o professor e fugiram, deixando para trás o professor agonizando, sua moto e o celular, levando apenas o dinheiro. Não teria sido disparado mais de um tiro porque esse fato chamaria a atenção dos policiais de plantão na PRF. Apesar dessa análise a Polícia Civil não descarta outras vertentes criminais.
FAMÍLIA NÃO ACREDITA EM ASSALTO
Já por sua vez, a família do professor não acredita em assalto, já que, a quantia que ele havia recebido era de apenas R$ 300,00. Familiares questionam o porquê então de os criminosos não terem levado o celular e nem a moto do professor que valeria mais que a quantia em dinheiro que foi levada. Segundo sua esposa, ela e mais alguns amigos teriam passado pelo caminho por onde ele foi morto e não encontraram nem ele e nem a moto. “Ele pode ter sido morto em um outro local e levado para lá. Alguns motoristas viram quando meu marido passou em alta velocidade pela BR, sendo seguido por um carro cheio de homens”, afirmou ela. Porém, como o professor era tido como uma pessoa do bem, sem nenhuma rixa ou fato que desabonasse sua conduta, fica a pergunta: então se não foi assalto porque então tramaram a morte do professor? Juvenilson deixa viúva e um casal de filhos, sendo um menino de 8 e uma menina de apenas 2 anos.

VELÓRIO E SEPULTAMENTO
Vários conhecidos, amigos e familiares velaram durante todo o dia
de ontem o corpo de Juvenilson em sua residência na Rua do Cajueiro

O corpo do professor Juvenilson foi velado por toda a tarde e noite de ontem em sua residência na Rua do Cajueiro, de onde será levado nesta manhã, por volta das 8 horas, para o Ginásio João Cambinha, onde disputou diversas partidas de futsal, defendendo a Seleção de Santa Inês, e depois seguirá par ser sepultado no Cemitério do São Benedito.


FONTE: JORNAL AGORA SANTA INES
 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pepe Moreno: e o cego com três filhos aleijados

Faça uma doação para o Brechó Solidário do Centro de Defesa Pe. Marcos Passerini

Expressões da violência no Maranhão serão debatidas em São Luis no Dia Internacional dos Direitos Humanos