Lobato e Twain -Coluna do Sarney

Coluna do Sarney:


Lobato e Twain

Embora já tenha esfriado o debate sobre a decisão do Conselho Nacional de Educação que vê em Caçadas de Pedrinho, de Monteiro Lobato, racismo, não quero deixar de opinar sobre o assunto.

Poucos no Brasil têm sido defensores da raça negra como eu. Acho, inclusive, ser a escravidão a maior mancha de nossa história. Desde que entrei na política apoiei Afonso Arinos, e fui o criador da Fundação Palmares, dedicada à promoção da raça negra. Fui o autor do primeiro projeto de cotas raciais.

O que acontece com Lobato lembra-me um caso clássico da educação americana: o combate ao Adventures of Huckleberry Finn, de Mark Twain. Desde que foi publicada, em 1884, essa continuação do Tom Sawyer causou polêmica, foi considerada imprópria e retirada de currículos e bibliotecas. A reação de Twain (Samuel Clemens, no civil) foi tratar o assunto com humor: “Expulsaram Huck de sua biblioteca como ‘lixo e só adequado às favelas’. Isso vai vender com certeza umas 25 mil cópias”. Mas a discussão continuou. Muitas vezes os que o combatem mais querem utilizar o negro para brilhar do que defendê-lo.

Huck foi um extraordinário sucesso. De vendas e literário. Hemingway declarou que “Huckleberry Finné o livro de onde brota toda a moderna literatura americana”, onde “nada foi escritode tão bom”. Mas a polêmica continua até hoje. Tudo porque Twain inovou recriando a linguagem de cada personagem com as características da vida no Mississipi, inclusive incorporando o tratamento a um dos personagens centrais, o nigger Jim, escravo fugido. No entanto o livro é uma sátira terrível, onde Jim é o bom caráter, em meio a uma multidão de brancos que representam todos os defeitos da sociedade escravocrata.

Além de excluído de bibliotecas, o livro tem enfrentado todo tipo de censura – e sobrevivido como um dos livros mais lidos nas escolas americanas. Sobre a polêmica há toneladas de textos, mas creio que o definitivo é o julgamento do juiz Stephen Reinhard: “Palavras podem machucar, particularmente epítetos racistas, mas um componente necessário de qualquer educação é aprender a pensar criticamente sobre ideias ofensivas. Sem essa habilidade, se pode fazer pouco para responder a elas”.

Lobato está em boa companhia. A criação literária é um processo próprio, e tramas, personagens, cenários existem somente na imaginação do autor. Nem por isso deixam de refletir realidades, e ser instrumento de mudanças na sociedade. Ca - çadas de Pedrinho iluminou a vida de milhões de brasileiros, despertando neles o sentido da convivência racial e da igualdade entre brancos e negros.


"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pepe Moreno: e o cego com três filhos aleijados

Faça uma doação para o Brechó Solidário do Centro de Defesa Pe. Marcos Passerini

Expressões da violência no Maranhão serão debatidas em São Luis no Dia Internacional dos Direitos Humanos