Moléstia que matou irmãos Figueredo ainda não foi diagnosticada pelos médicos.

Moléstia que matou irmãos Figueredo ainda não foi diagnosticada pelos médicos.: "


do BLOG: REi dos Bastidores

Há suspeita de cefalite herpética da síndrome da vaca louca

A população de Açailândia e micro região encontra-se alarmada com a sequência de mortes dos irmãos Figueredo, pecuaristas conhecidos e respeitados pela sociedade açailandense. Em face a essa situação, a reportagem do Jornal do Maranhão entrevistou familiares e médicos que atenderam aos pacientes. Ele informam que vários exames ainda estão sendo feitos, razão porque ainda não foi diagnosticada a doença que provocou a morte dos quatro irmãos. Os médicos, entretanto, garantem que a morte de Ivan e José, estes dois últimos, não foi provocada por uma temível bactérias hospitalar que vem aterrorizando as pessoas por toda a parte do Brasil, principalmente depois que a Rede Globo mostrou uma reportagem sobre a morte de uma filha do cantor Beto Barbosa. De acordo com a matéria, a causa da morte da jovem teria sido uma bactéria hospitalar que é imune a qualquer tipo de antibiótico o que leva as pessoas a óbito.
Último a falecer na sexta-feira (22) foi o mais velho dos irmãos. José Figueiredo Bonjardim, 55 anos, sentiu fortes dores de cabeça no domingo (17) logo após o sepultamento de seu irmão, Ivan Figueiredo Bonjardim, que morreu no último dia 15 de outubro com os mesmos sintomas em hospital de Goiânia. Na manhã do dia seguinte, segunda-feira (18), ele foi encaminhado para o Hospital Santa Mônica, sendo atendido inicialmente pelo cardiologista Bene André Camacho e depois pelo neurologista André Luis Rocha.
Quando atendeu José Figueredo, o médico Bene Camacho disse que ele apresentava os mesmos sintomas de seu irmão Ivan, que também foi atendido por ele. O cardiologista informou que José chegou conversando normalmente, fez exames de ressonância e eletrocefalograma, sendo que os resultados dos exames apresentavam completa normalidade. “Até mesmo a pressão arterial dele estava 12x8, portanto, dentro da normalidade”, explica o médico.
Neste mesmo dia José retornou para sua casa, aonde voltou a sentir-se mal, chegando a vomitar, porém em nenhum momento teve febre como bem colocou Bene Camacho. No dia seguinte ele voltou ao Hospital Santa Mônica, porém no período da tarde quando recebeu o resultado dos exames solicitados, o cardiologista notou que o paciente já se encontrava com evidências claras de perda de memória. Ele então o encaminhou ao colega André Luis Rocha.
Logo após atender José Figueredo, o neurologista entrou em contato com o colega cardiologista informando-o que o paciente estava perdendo rapidamente a memória. O médico André Luis solicitou um eletro, o qual acusou que o cérebro de José Figueredo já não tinha mais atividades. A família então decidiu encaminhá-lo para Goiânia, porém chegando a Brasília, o pecuarista veio a falecer.
Família tradicional – De família tradicional em Açailândia, José Figueredo Monjardim era filho do casal de pecuaristas Maria das Dores e Valter Figueredo. Era pai de Natiana Bonjardim Ventura, 30, Tatiana dos Anjos Bonjardim, 27, e do estudante universitário Henrique dos Anjos Bonjardim, 23 anos. Era casado há 15 anos, em segunda núpcias com a senhora Marinalva do Nascimento Damasceno, a Deca. A exemplo dos irmãos chegou ainda criança em Açailândia, onde formou família.
Causa da morte dos irmãos intriga a Medicina
Há suspeita de cefalite herpética da síndrome da vaca louca
A morte em série dos irmãos continuam intrigando os médicos e desafiando a Medicina. Antes de ser transferido para Goiânia, cujo destino não foi alcançado, José Figueredo foi medicado com o remédio Valisiclovia que tem como objetivo combater a encefalite (perda de memória), porém a medicação não surtiu o efeito desejado, o que causou mais mistério entre os médicos que o atenderam, bem como ao irmão Ivan.
O médico Bene André Camacho, é paulista, há muitos anos radicado nesta região, pois começou a clinicar no estado do Pará, vindo em seguida para Imperatriz onde reside há muitos anos. O médico André Luis Rocha é carioca, tem pouco tempo de Imperatriz, porém tem muita experiência trabalhando em hospitais do sudeste do país. Eles foram unânimes em afirmar que nunca viram uma doença matar tão rápido e sem uma plausível explicação.
Há propósito, o cardiologista Bene Camacho afirma que em sua opinião há duas suspeitas: cefalite herpética da síndrome da vaca louca, ou um problema genético causado por um cromossomo masculino. Isso porque, a moléstia misteriosa que atacou os irmãos Figueredo só levou a óbito os irmãos do sexo masculino. Bene Camacho lembra que José era hipertenso, entretanto, Ivan Figueredo não tinha nenhum problema de saúde aparente. “Atendi Ivan, e quando a mulher dele me ligou contando que ele morreu em Goiânia, fiquei bastante surpreso”, revela o médico.
Camacho observa que a doença dos irmãos é marcada por uma desmedida evolução fatal progressiva. Diante da situação, a família das vítimas autorizou que exames do corpo e do cérebro de José, fossem realizados em grandes centros como Goiânia, onde morreu Ivan; Brasília e até mesmo em São Paulo. As Secretarias de Saúde do Município e do Estado do Maranhão tem demonstrado interesse em acompanhar os resultados dos exames, na tentativa de esclarecer essas mortes.
Atualmente, depois da morte de Ivan e agora de José Figueredo Bonjardim, começa a especular-se que a morte de Wanderley Figueredo, em agosto de 1997, tenha sido causada por esta mesma doença, uma vez que não foi esclarecida. No ano passado faleceu o irmão Mazinho, também de morte desconhecida. Isso faz com que o médico Bene Camacho acredite tratar-se de um problema de ordem genético, tendo como fator o cromossomo masculino.
(Domingos Cezar)
Fonte: Jornal do Maranhão

Leia + no blog: http://rei12.blogspot.com/
"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pepe Moreno: e o cego com três filhos aleijados

Faça uma doação para o Brechó Solidário do Centro de Defesa Pe. Marcos Passerini

Expressões da violência no Maranhão serão debatidas em São Luis no Dia Internacional dos Direitos Humanos