Para agradar Zé Reinaldo, o blogueiro Luis Cardoso agride as oposições



Para agradar Zé Reinaldo, o blogueiro Luis Cardoso agride as oposições


O blogueiro e jornalista Luis Cardoso prestou um desserviço ao conjunto das oposições ao fazer uma análise equivocada sobre comportamento político das forças anti-Sarney no Maranhão.
Falo com muita tranquilidade sobre o assunto até porque sempre fui um crítico em relação à forma como as oposições no Maranhão trabalham, ou seja, na maioria das vezes desarticuladas, desorganizadas, onde sempre é atropelada pelas disputas de egos e vaidades que contribuíram historicamente para a sua derrota eleitoral.
Não tenho dúvidas de que o candidato Zé Reinaldo é “doutor” em Sarney, até porque esteve ao lado do velho oligarca por anos a fio até romper, graças às diferenças entre Roseana Sarney e Alexandra Tavares, em 2005, daí que história relatada por Luis Cardoso de que o candidato a senador pelo PSB teria escutado de Sarney que “oposição perde sempre porque nunca se uniu”, realmente deve ser procedente.
Contudo, não é atacando outros candidatos a senador como Roberto Rocha e Edson Vidigal e o próprio candidato a governador Jackson Lago, que o jornalista Luis Cardoso contribuirá com as oposições.
Culpá-los por uma eventual derrota nestas eleições, além de injusto é leviano. É como se de repente alguém quisesse culpar Zé Reinaldo por dividir as oposições ao apostar todas as suas fichas em um candidato que não foi capaz de unificar os partidos de oposição. Por mais que tenha ido contra tudo e contra todos, pensando que poderia ser candidato único das oposições ao Senado, Zé Reinaldo não pode ser acusado de ser o “algoz” das forças anti-Sarney, como deseja fazer Luis Cardoso em relação a Jackson Lago, Roberto Rocha e Edson Vidigal.
A verdade é que Zé Reinaldo poderia está desempenhando o papel de maestro das oposições nestas eleições, mas cometeu alguns erros de forma e procedimento, o que lhe pode custar caro no dia 03 de outubro.
É que desde que rompeu com o grupo Sarney, alguns trataram de transformar Zé Reinaldo em um “semideus”, numa “unanimidade” como ele mesmo se descreve na biografia que consta no seu site. Além de não ser uma “unanimidade”, é errado achar que o ex-aliado de Sarney foi o único político a dar sua cota de sacrifício em favor das oposições.
Os mesmos, Jackson Lago, Roberto Rocha e Edson Vidigal que Luis Cardoso tenta desqualificar, também já fizeram gestos em nome da causa libertadora do Maranhão. Em 2002, o então candidato do PSDB a governador, Roberto Rocha, abriu mão da sua candidatura em nome da unidade das oposições através do apoio a Jackson Lago.
Em 2006, foi a vez de Edson Vidigal também dá a sua cota de sacrifício ao deixar a carreira de magistrado no STJ para ser candidato ao governo a pedido do então governador Zé Reinaldo, que teria assumido o compromisso de elegê-lo. Vidigal acreditou.
Jackson Lago, concorde-se ou não, tem o direito de ser candidato, afinal não é fácil ser vítima de tamanha violência que foi a sua cassação e não ter o desejo de se apresentar à sociedade como candidato.O líder pedetista, como costuma dizer, “vem de longe”, ralou muito e abrir mão da sua candidatura a favor de quem chegou ontem na política, não pode ser tratado como algo natural.
Por mais que Cardoso lembre o “currículo e o preparo para administrar o estado” que teria Flávio Dino, não é justo com quase 30% da população que Jackson Lago abandone a sua candidatura para apoiar o candidato comunista como desejam Luis Cardoso e Zé Reinaldo.
Enfim, ao mirar Jackson Lago, Roberto Rocha e Edson Vidigal, Luis Cardoso pode ter contribuído ainda mais para aumentar mais aquilo que diz condenar: “a desunião das oposições”.
Tentou agradar de forma atrapalhada o candidato Zé Reinaldo e acabou desagradando meio mundo da oposição. Parece que Cardoso jogou a toalha.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pepe Moreno: e o cego com três filhos aleijados

Expressões da violência no Maranhão serão debatidas em São Luis no Dia Internacional dos Direitos Humanos

Faça uma doação para o Brechó Solidário do Centro de Defesa Pe. Marcos Passerini