Flávio Dino tenta na justiça censurar e amordaçar a imprensa maranhense

Flávio Dino tenta na justiça censurar e amordaçar a imprensa maranhense: "



do BLOG DO JONI ROCHA



O candidato do PCdoB ao Governo do Estado, Flávio Dino, entrou na Justiça para evitar ligação de seu nome com o marqueteiro Carlos Alberto Ferreira, pivô de um episódio de violência em Caxias, que já declarou em nota ser amigo do parlamentar “há mais de 20 anos, antes mesmo de ele ser juiz federal”.

As referências estavam sendo feitas no blog do jornalista Décio Sá por conta do caso no qual Carlos Alberto Ferreira é acusado de ter agredido a socos a jornalista Bianka Nogueira, apresentadora da TV Bandeirantes em Caxias.

O caso ganhou forte repercussão dentro e fora do município. Primeiro pelas imagens em que a apresentadora mostra o grau da agressão. E também pelo fato de Carlos Alberto ser um dos gurus midiáticos da campanha do candidato comunista, ao que se sabe, fruto de uma parceria que começou quando Dino foi candidato a deputado federal em 2008.

Com a medida judicial para impedir a divulgação de uma ligação que é óbvia, admitida e que não o envolve, o deputado gera argumentos para dar sentido a críticas sobre seu lado intolerante. E dá razão à reação de humoristas e de parte da imprensa nacional sobre sua atuação como relator da minireforma eleitoral na qual incluiu mecanismos contra a liberdade de expressão, principalmente contra as manifestações humorísticas, que não ganharam peso porque foram derrubados pelo Supremo Tribunal Federal.

Em nenhum momento o jornalista Décio Sá envolveu o deputado diretamente no episódio de violência. Limitou-se a registrar a relação, que é conhecida nos meios político, publicitário e jornalístico.

A reação do candidato do PCdoB não faz muito sentido
"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pepe Moreno: e o cego com três filhos aleijados

Faça uma doação para o Brechó Solidário do Centro de Defesa Pe. Marcos Passerini

Expressões da violência no Maranhão serão debatidas em São Luis no Dia Internacional dos Direitos Humanos