PF deflagra operação em Barra do Corda e Teresina

PF deflagra operação em Barra do Corda e Teresina: "



do Blog do Décio

A Operação Disfarce foi desencadeada nesta quinta-feira pela Força-Tarefa Previdenciária do Maranhão (FTP/MA), composta pela Polícia Federal, Ministério da Previdência Social e Ministério Público Federal, com o objetivo de reprimir o crime previdenciário no Estado.


A operação tem a finalidade de dar cumprimento a 25 mandados judiciais – 4 de prisão preventiva, 8 de prisão temporária e 13 de busca e apreensão – expedidos pela 2ª Vara Federal de São Luís a pedido da Polícia Federal, a serem executados nas cidades de Barra do Corda (MA) e Teresina (PI).


As investigações, iniciadas em 2009, levaram ao desmantelamento de uma quadrilha de fraudadores do INSS composta por agenciadores, corretores de crédito e policiais civis, com atuação principalmente na região de Barra do Corda/MA, tendo participação efetiva de funcionários de bancos públicos e privados, responsáveis pela renovação e desbloqueio de senhas de cartões magnéticos de benefícios previdenciários pertencentes a aposentados ou pensionistas já falecidos.


Estão envolvidos na operação 80 (oitenta) policiais federais do Maranhão e do Piauí, além de técnicos do Ministério da Previdência Social. A Secretaria de Estado de Segurança Pública e a Polícia Civil do Maranhão também acompanham a operação, em razão da expedição de mandados de prisão preventiva contra 3 policiais civis de Barra do Corda/MA.


O prejuízo aos cofres da União, decorrente de saques irregulares de aposentadorias e pensões de pessoas já falecidas e da obtenção de empréstimos consignados em tais benefícios previdenciários, ultrapassa R$ 1 milhão (um milhão de reais), levando-se em consideração apenas os fatos apurados até o presente momento.


Os investigados foram indiciados pelos crimes de estelionato (CP, art. 171, § 3º), formação de quadrilha ou bando (CP, art. 288), inserção de dados falsos nos sistemas da administração pública (CP, art. 313-A), corrupção ativa (CP, art. 333) e quebra de sigilo bancário (Lei Complementar nº 105/2001, art. 10), cujas penas, somadas, podem chegar a 34 (trinta e quatro) anos de prisão.


O título da Operação Disfarce foi escolhido por alusão ao uso de “laranjas” pela quadrilha, que procediam em agências bancárias a renovação de senhas dos cartões magnéticos de benefícios previdenciários mediante o uso de documentos de identificação falsificados com os nomes dos respectivos beneficiários falecidos.


(As informações são da Polícia Federal).

"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pepe Moreno: e o cego com três filhos aleijados

Faça uma doação para o Brechó Solidário do Centro de Defesa Pe. Marcos Passerini

Expressões da violência no Maranhão serão debatidas em São Luis no Dia Internacional dos Direitos Humanos