10 Razões para Amar as Praias do Maranhão

10 Razões para Amar as Praias do Maranhão:


do BLOG: Maranhão Maravilha



"

As belas praias do Maranhão são geralmente subestimadas, desprestigiadas e desconhecidas por muitos maranhenses. Ok, nós não temos em São Luís praias de água azul e coqueirais de perder de vista, facilmente encontradas em vários lugares do mundo, mas isso não quer dizer que as nossas praias sejam menos bonitas e atraentes. Se por um lado perdemos em belezas comuns “clichê”, infra-estrutura e serviços, ganhamos de sobra em ineditismo, exotismo, diversidade e nível de preservação. As praias maranhenses ostentam, no mínimo, uma beleza tropical diferente, única e exótica, apresentando enorme potencial para atividades de lazer, recreação, turismo de sol e praia e ecoturismo. Aqui listamos pelo menos 10 razões para AMAR as praias do Maranhão, que tem o segundo maior litoral do Brasil e tem mar até no nome.




1) Dois Litorais, Dois Mundos. O litoral maranhense não foge da realidade geográfica na qual o estado está inserido. Assim como no restante do estado, o litoral apresenta o aspecto transicional tão típico dos seus ecossistemas e paisagens que unem facetas amazônicas às nordestinas. A rigor, o litoral maranhense pode ser dividido em dois: o amazônico (golfão e ocidental) e o nordestino (oriental). De um lado a maior floresta de manguezais do mundo e do outro, extensos campos de dunas e o maior Delta das Américas. Isto resulta numa multiplicidade extraordinária de ecossistemas e paisagens naturais e humanas não vistas em nenhum outro trecho litorâneo do Brasil.




2) Praias Mutantes. As praias maranhenses nunca são as mesmas. Dono da maior variação de marés do Brasil e a quinta do mundo, as enormes marés do Maranhão desenham, criam e redesenham as paisagens das praias que ora são enormes areais descobertos em extensões que podem chegar até 2 quilômetros, fazendo acreditar que, em alguns casos, o mar sumiu; e ora são praias caudalosas tomadas pela fúria das águas que vão cobrindo tudo. Este vai-e-vem ostensivo e constante das marés maranhenses produz um efeito visual inebriante que modificam as paisagens das mesmas praias e de toda a costa, tornando-as verdadeiras praias mutantes e dinâmicas.




3) Multicores. A típica cor do mar nas praias maranhenses é o turvo, comum em todo litoral norte do país. Não é um só tipo de turbidez: há o bege, o cinza, o creme, o terroso e o meio esverdeado, com uma coloração de musgo. Longe de ser motivo de repúdio, essa coloração “meio fluvial” é um grande diferencial das nossas praias, pois praias de água azul e verde cristalinas existem no mundo inteiro. Essa coloração vem dos milhares sedimentos vindos de uma infinidade de rios, estuários e manguezais que acusam a presença de um enorme gradiente de nutrientes, base alimentar de muitas e variadas espécies marinhas que fazem do mar do Maranhão um dos mais piscosos e sustentam uma alta biodiversidade costeira – convém lembrar que muitos frutos do mar consumidos em outros estados tem origem no nosso litoral. Além do mais, essa coloração do mar também propicia uma aura de mistério, crendices, mitos e superstições, povoando o imaginário popular de seres fantásticos, encantarias e lendas. No entanto, assim como as praias, essa coloração típica do nosso mar também não é constante e muda conforme a época do ano e as marés. Em épocas de estiagem e em períodos de marés de quarta (as menores marés), a transparência aumenta e a coloração pode adquirir tonalidades que vão do esverdeado claro ou escuro ao azulado. Muitas vezes podemos admirar várias faixas no mar de tonalidades diferentes num único dia. Também não é demais lembrar que fora da linha da costa (em direção ao mar aberto, mas ainda no território maranhense) o verde e azul da água oceânica substitui o turvo típico das praias, e abriga santuários marinhos de água transparente como o Parque Estadual do Parcel do Manoel Luís, o maior banco de corais da América do Sul. A verdade é que a cor do mar maranhense, seja turvo ou verde, azul ou musgo, transparente ou não, é apenas mais um atributo que, somado a tantos outros, confere às praias maranhenses uma beleza monumental e incomum que pode até não agradar à primeira vista aos que esperam as praias “clichê” do Nordeste, mas surpreendem e encantam aqueles que sabem apreciá-las sem pressa em suas particularidades e detalhes e aqueles que buscam uma natureza arrebatadora e quase intocada à beira-mar.




4) Temperatura. Sem maiores comentários. As praias maranhenses, tropicais como são, possuem um mar com uma temperatura morna agradabilíssima para banhos. Há muitas praias azuis de águas transparentes Brasil e mundo afora com águas frias ou até congelantes.




5) O Cenário. Este talvez seja o maior triunfo das praias maranhenses. Longe de ser praias de paisagens fáceis e batidas, repetitivas e monótonas de apenas coqueirais e mar azul, que estampam capas de revistas e publicidade da maioria das agências de viagens no mundo inteiro, as praias maranhenses são únicas e só existem mesmo aqui. Largas faixas de areias branquinhas ou levemente amareladas batidas ou fofas, florestas inteiras de manguezais, restingas, dunas e lagoas (o litoral maranhense possui o maior campo de dunas do Brasil), coqueirais, falésias, tabuleiros, matas verdejantes, rios, babaçuais, carnaubais e até pequenas cachoeiras temporárias de água doce são alguns dos elementos que compõem o cenário diversificado e exuberante das praias maranhenses, sempre adornadas pelas velas coloridas da mais rica arte e construção artesanal naval do Brasil; e são modificadas o tempo todo pelas incessantes marés. Até as palmeiras, símbolos dos trópicos, são nativas: constantemente em vez de coqueiros (nativos das ilhas do Pacífico e Ásia tropical), os babaçuais é que dão o tom em muitas praias e às vezes outras palmeiras nativas como Carnaubais, Tucunzeiros, Inajás, Açaizais, Buritizais e outras. Há praiões enormes com águas de fortes correntezas a pequenas enseadas e prainhas com águas calmas e tranqüilas. Também não podemos nos esquecer das milhares praias fluviais e lacustres que o estado tem, mas isso é uma outra estória.




6) A Biodiversidade. Outro triunfo da costa maranhense. A costa do estado é a segunda mais intocada, selvagem e preservada do país, perdendo somente para o Amapá, que não tem praia. Isso se deve à grande extensão do nosso litoral, com muitas reentrâncias, ilhas e praias de difícil acesso, à relativa baixa densidade populacional e às extensas áreas de proteção ambiental. A grandiosidade das nossas praias e, por extensão, da nossa costa, se revela na sua diversidade florística e faunística aquática e terrestre. Poucos sabem disso, mas o litoral maranhense (sobretudo o amazônico), junto ao litoral paraense, possui a maior floresta contínua de manguezais do mundo. Isso significa uma exuberância tropical sem par e uma alta diversidade de espécies marinhas (o Maranhão possui a maior população do ameaçado peixe-boi marinho no Brasil), semi-terrestres e terrestres, com ênfase especial nas aves coloridas residentes e migratórias: a costa maranhense só perde para a costa do Suriname como refúgio para as aves migratórias que vem da América do Norte no inverno. O Maranhão também possui a maior população de guarás (Endocimus Ruber), considerada uma das mais belas aves da América do Sul e do Brasil, praticamente encontrada apenas no litoral amazônico. A biodiversidade também é palpitante no Delta do Parnaíba (75% no Maranhão), o terceiro maior delta em mar aberto do mundo; nas restingas e nas matas costeiras. O cenário, a biodiversidade e a sensação da descoberta de novas praias e ilhas, algo quase raro na maior parte da costa brasileira, fazem das praias maranhenses um prato cheio para as atividades de ecoturismo e contemplação da natureza.


7) Ilhas e Descobertas. Como se não bastasse, a costa maranhense também detém outro título: o maior arquipélago costeiro do Brasil está aqui, onde inúmeros estuários, baías, furos, golfos e canais desenham um litoral extremamente recortado e abriga milhares de ilhas e penínsulas de vários tamanhos, em sua maioria semi-desertas ou desertas, muitas com povoados pitorescos de pescadores com ruazinhas de areia, coqueirais ou carnaubais, praias adornadas por dunas, restingas e manguezais exuberantes. Existem milhares de ilhas e praias prontas a serem descobertas, algumas inclusive sem nome oficial. Até a capital, São Luís, está numa ilha: a grande e bela Ilha de São Luís.




8) Sossego. Na grande e esmagadora maioria das praias maranhenses o sossego é absoluto. Em muitas delas a sensação vai ser de que a praia inteira é só sua, ou compartilhada com alguns pescadores, gaivotas, guarás, garças, macacos, papagaios, maçaricos, botos, siris, caranguejos, conchas....Mesmo nas praias mais freqüentadas e badaladas, o tumulto nem de longe lembra o de outras praias brasileiras lotadas, onde muitas vezes é difícil até conseguir um lugar ao sol e onde a insistência constante e irritante de vendedores ambulantes tira o sossego e desafia a paciência.




9) Estado de Conservação e Limpeza. Com a exceção lamentável de algumas praias urbanas de São Luís, o estado de conservação e limpeza da grande maioria das praias maranhenses beira a perfeição, com um índice quase nulo de coliformes fecais e outros poluentes. As águas turvas das nossas praias são mais limpas do que as de muitas praias de águas claras Brasil e mundo afora. Isso também se aplica às faixas de areia e à conservação de todo o meio-ambiente costeiro, com pouca ou nenhuma degradação.


10) Cultura Praieira Maranhense. A história e cultura maranhenses são intrinsecamente ligadas ao litoral. Até hoje o âmago da nossa cultura está no litoral ou próximo dele. Portanto, nada mais natural que os maranhenses tenham se apropriado das suas praias de uma forma especial e genuína. Senhores da maioria das praias maranhenses, os pescadores e a sua riquíssima cultura material e imaterial são um capítulo à parte com as suas diversificadas embarcações artesanais, as suas crenças, tradições, lendas, linguajar, artesanato e folclore. O mar e as praias são fontes de muitos ingredientes que compõem a saborosa, singela e rica culinária maranhense, podendo ser apreciada em muitas das nossas praias. Em algumas das praias mais freqüentadas, os veículos transitam livremente nas areias durante as marés baixas e as barracas atendem os seus clientes onde quer que estes escolham, pertinho ou mais longe do mar. Por fim, ir à praia é um dos principais programas de lazer e socialização do povo maranhense, seja para pegar um sol, tomar banho de mar, caminhar, fazer esportes aquáticos e na areia, fazer refeições, paquerar, admirar as paisagens e curtir/dançar ao ritmo de reggae, bumba-boi, tambor de crioula, samba, forró, merengue, axé, tecnobrega, MPB..etc.






Com tanta beleza e oferta no nosso próprio quintal, aproveite as férias para conhecer algumas das praias mais bonitas do Brasil!






Lista Preliminar das 10 praias mais bonitas do Maranhão

(Essa lista é uma provocação para outras que hão de vir)

1 – Praias do Pontal das Melancieiras (Tutóia)
2 – Praias da Ilha dos Lençóis (Cururupu)
3 – Praia de “Olho de Porco-Primirim-Pucal-Mangue Seco” (Raposa)
4 - Praias desertas de Alcântara (Alcântara)
5 – Praias de Outeiro e Barreirão (Cedral)
6 – Praia de Travosa (Santo Amaro)
7 – Praias da Ilha de Santana (Humberto de Campos)
8 – Praias da Ilha de São Jorge (Godofredo Viana)
9 – Praia de Aruoca (Guimarães)
10- Praia de Igarapé Grande (Turiaçu)
Rafael dos Santos Marques – www.maramazon.com Faça parte da Geração do Conhecimento!

http://www.ceicoc.com.br/site/content/espaco-coc/artigo.php?codigo=46



"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pepe Moreno: e o cego com três filhos aleijados

Expressões da violência no Maranhão serão debatidas em São Luis no Dia Internacional dos Direitos Humanos

Faça uma doação para o Brechó Solidário do Centro de Defesa Pe. Marcos Passerini