Território sem lei*

Território sem lei*: "

Estacionar no Centro de São Luís tornou-se um dilema há vários anos. Com ruas estreitas e um movimento crescente de veículos e pedestres, aquele espaço há muito tempo está saturado, o que requer uma solução urgente do poder público. A situação tornou-se ainda mais grave nos últimos seis meses, com o fim do contrato entre a Prefeitura e a empresa responsável por administrar as vagas em vias de grande fluxo de trânsito, como as ruas de Santana, da Paz, do Sol e do Passeio. Sem qualquer ordenamento, o cenário, que já era caótico, tornou-se ainda mais desorganizado, como se a área não estivesse sujeita a nenhuma lei que vise à civilidade.


A ausência de qualquer informação oficial por parte da Prefeitura sobre o término do contrato para gestão do sistema de estacionamento no Centro deixa a população ainda mais indignada. Não avisar aos cidadãos sobre a interrupção de um serviço que com o passar do tempo tornou-se essencial é um acinte. Desativado desde o início do ano, o sistema de estacionamento hoje não obedece a nenhuma regra. Em lugar dos agentes de fiscalização e dos parquímetros, tem-se agora o domínio exclusivo de flanelinhas, que com seu despreparo e ganância tornam o ato de estacionar uma tarefa difícil e tensa. Reféns desse ambiente de extrema desordem, os motoristas, além de enfrentar dificuldade para encontrar vagas, são obrigados a conviver com a hostilidade quando ousam questionar os valores impostos pelos guardadores.


Ameaças, agressões físicas e atos de depredação são algumas das situações as quais donos de veículos estão sujeitos quando estacionam no Centro. As ações criminosas ocorrem com uma freqüência absurda que fica difícil para as autoridades de segurança coibi-las. Os meliantes disfarçados de flanelinhas contam ainda com a complacência de uma parcela dos policiais, que fazem vista grossa para os seus delitos. Assim, tem-se um círculo vicioso em que o maior prejudicado é o cidadão que precisa se deslocar para o Centro, seja para trabalhar, fazer compras, pagar contas ou cumprir outro compromisso.


A prefeitura tem a obrigação de colocar ordem no sistema de estacionamento do Centro de São Luís. Além dos transtornos causados aos ludovicenses, o ambiente caótico provoca má impressão em turistas e em pessoas que viajam à capital maranhense a negócio e que muitas vezes precisam se locomover nessa área da cidade. A solução para o problema deve vir de forma urgente, pois ao adiá-la, a administração municipal não só contribui para que a situação se agrave como dá uma prova de falta de compromisso.


Considerado ainda o coração da cidade, o Centro carece de uma atenção maior do poder público. A desordem que impera no sistema de estacionamento é apenas um dos inúmeros problemas que comprometem o dia-a-dia de quem mora, trabalha ou transita na área. Muito mais do que uma ação de governo, dar ao Centro melhores condições de urbanidade é uma prova de amor à cidade.


* Editorial publicado nesta sexta-feira em O Estado do Maranhão


Foto: Biné Morais/O Estado do Maranhão



"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pepe Moreno: e o cego com três filhos aleijados

Faça uma doação para o Brechó Solidário do Centro de Defesa Pe. Marcos Passerini

Expressões da violência no Maranhão serão debatidas em São Luis no Dia Internacional dos Direitos Humanos