Dez outras "Elizas" morrem a cada dia pelo Brasil

Dez outras "Elizas" morrem a cada dia pelo Brasil: "por Thaíne Belissa





Amor e ódio. As duas palavras que formavam a senha do computador de Eliza Samudio, ex-namorada do goleiro Bruno Fernandes, são também o resumo de sua própria história. Mas a devastadora mistura desses dois sentimentos tem feito muitas outras vítimas em todo o país. Longe dos corredores da fama e das câmeras de televisão, milhares de 'Elizas' sofrem agressões e são assassinadas no silêncio de seu anonimato.



Segundo o estudo Mapa da Violência no Brasil 2010, do Instituto Sangari, durante um período de dez anos (1997 a 2007) ocorreram dez assassinatos de mulheres por dia no país. O índice é de 4,2 mortes por 100 mil habitantes, uma média acima do padrão internacional.



O número de denúncias de agressões às brasileiras também é alto. A Secretaria Nacional de Políticas para as Mulheres (SPM) registrou 271.719 atendimentos, de janeiro a maio de 2010, o que significa um aumento de 95,5% em relação aos primeiros cinco meses de 2009. Em Minas Gerais, o número de denúncias cresceu 300% no mês de junho, em comparação a maio, segundo a Secretaria do Estado de Desenvolvimento Social (Seds).



Para a subsecretária de enfrentamento da violência contra mulher da SPM, Aparecida Gonçalves, a legislação de proteção é avançada no país. No entanto, ela acredita que ainda existem brechas na abordagem das vítimas. 'Um dos problemas enfrentados pelas mulheres agredidas é o preconceito das autoridades que as recebem durante a ocorrência. Muitos relatos são tratados como exagero. Isso vem de uma cultura machista, onde a mulher é vista como fofoqueira ou histérica', afirma.



Aparecida lembra que, por causa dessa descrença, os processos de agressão, muitas vezes, demoram a ser encaminhados. 'A mulher que sofre esse tipo de preconceito pode nunca mais voltar à delegacia e continuar sofrendo em casa. Às vezes, até morrer', alerta. Outro problema apontado pela subsecretária é a falta de acompanhamento das mulheres. Ela defende um tratamento psicológico e social mais efetivo para que as vítimas reconstruam a própria identidade e saibam dar um basta em seus agressores. 'Esse não é um atendimento apenas emergencial. A mulher que passa por uma agressão precisa voltar inteira para a sociedade e isso é feito com ajuda profissional', afirma.



Homens. O envolvimento dos homens no enfrentamento à violência contra a mulher é apontado como um importante passo pela subsecretária. 'Não estou dizendo para irem às ruas, mas combater a violência no dia a dia, durante as conversas de bar, convencendo os amigos da seriedade do problema', afirma.



Para a defensora pública e coordenadora do Núcleo de Defesa da Mulher em Situação de Violência (Nudem), da comarca de Varginha, Samantha Vilarinho, muitos policiais e delegados não aplicam a lei na prática. A situação se agrava no interior dos Estados.



'Existem pessoas mal preparadas que desconhecem a lei e enviam as ocorrências para o lugar errado. Em vez de encaminharem as vítimas para receberem as medidas de proteção, as enviam para o juizado especial. Lá, as mulheres apenas passam por uma conciliação e, no máximo, o agressor paga uma multa', afirma. Como saída para o problema, a defensora pública defende um treinamento adequado para as autoridades que recebem as denúncias.



Fonte: O Tempo
"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pepe Moreno: e o cego com três filhos aleijados

Faça uma doação para o Brechó Solidário do Centro de Defesa Pe. Marcos Passerini

Expressões da violência no Maranhão serão debatidas em São Luis no Dia Internacional dos Direitos Humanos