PUBLICADO NO JORNAL 'O GLOBO', DO RIO

PUBLICADO NO JORNAL 'O GLOBO', DO RIO: "
Homem é preso no Maranhão após abusar da filha por 16 anos e ter sete filhos com ela

Publicada em 09/06/2010 às 11h15m
Cleide Carvalho, O Globo

A polícia de Pinheiro, no Maranhão, prendeu um lavrador de 54 anos que mantinha a filha em carcere privado há 16 anos e tinha com ela sete filhos, com idades de 12 anos a 2 meses. José Agostinho Bispo Pereira abusava sexualmente da filha desde que ela tinha 12 anos. Sandra Maria Monteiro, hoje com 28 anos, não sabe ler nem escrever e nunca pode sair da ilhota onde vivia com o pai, no Povoado de Experimento, em Pinheiro, a 340 km de São Luís. Na cidade de Pinheiro, muita gente sabia da história da família de Pereira, mas ninguém queria se intrometer na cida do lavrador, que passou a abusar da filha desde que a mãe dela foi embora de casa.

- A comunidade sabia, ficava indignada, mas ninguem queria se meter - diz a delegada regional de Pinheiro, Laura Amélia Barbosa.

A opinião das pessoas começou a mudar com as sucessivas campanhas contra pedofilia e violência sexual. No dia 21 de maio passado, o Ministério Público, o Conselho Tutelar e a Polícia de Pinheiro realizaram uma passeata para combater a exploracao sexual de criança e adolescente. Foi então que as pessoas decidiram falar.

A polícia passou a investigar o caso e descobriu a história. Nesta terça-feira, por volta de 17h30m, uma equipe de delegados e investigadores embarcou em três canoas para alcançar a ilhota onde Pereira vivia, que não tem acesso por terra.

A situação das crianças chocou os policiais. Dos sete filhos, seis estavam no local. A última filha-neta, um bebê de cerca de 2 meses, foi doada a uma família. Sandra não sabe dizer quem é, afirma apenas que 'é gente boa'.

Os seis mantidos na ilhota nunca foram à escola e são proibidos de sair dali pelo pai-avô. O menino de 12 anos, o mais velho, fugiu assustado ao ver a chegada da polícia. Um garoto de 8 anos é surdo e mudo, provalvemente por problemas de consanguinidade. M.R, uma menina de apenas 7 anos, também já começou a ser abusada por Pereira, segundo a polícia.

A seguir vem uma menina de 5 anos e dois meninos, de 4 e 2 anos. A menina de 5 anos também será submetida a exames para detectar se também era abusada.

Resgatadas, as crianças tiveram de ser encaminhadas a um abrigo, para tomar banho, serem vestidas e alimentadas.

- A situação é de abandono e penúria - relata a delegada.

Preso em flagrante, Pereira afirmou que já estava ressabiado com a possibilidade de o caso ser descoberto pela polícia e temia que isso acontecesse. Segundo a delegada, ele acha normal ter mantido a filha e os filhos-netos em cárcere privado e não vê problema no relacionamento conjugal. Diz que nunca forçou a filha a continuar ali.

Sandra, por sua vez, diz que gosta de Pereira como pai.

- Ela demonstra algum distúrbio psicológico. Ela diz que gosta dele como pai, mas viviam como marido e mulher. É uma pessoa rude, sem qualquer tipo de informação - afirma Laura.

Sandra disse à polícia que não foi a única filha de Pereira a ser abusada. Uma irmã dela, que a polícia tenta localizar, também teria tido um filho com o pai e fugiu do povoado. Foi morar num lugar chamado Refúgio, também na região de Pinheiro.

- A Sandra diz que ela fugiu e lhe disse: 'Não vou ficar parindo dele para o resto da vida' - relata a delegada.

Os irmãos homens de Sandra nunca reagiram à situação e, aos poucos, deixaram a ilha, deixando-a para trás.

- A Sandra tem vergonha de falar sobre a situação. Todos passavam muita fome e viviam sem alternativa - diz a delegada.

Pereira foi autuado em flagrante pelo estupro da filha-neta de 7 anos, abandono material - porque todos viviam sem alimentação -., abandono intelectual - nunca foram à escola - e cárcere privado. Na delegacia, ele foi separado dos demais presos, que queriam agredi-lo.

Segundo a delegada, a Assistência Social está providenciando benefício previdenciário ao menino surdo e mudo e Sandra será encaixada na lei de Assistência Social que prevê o pagamento de um salário mínimo a quem, como ela, vive no desamparo. Não se sabe ainda onde a família vai morar. Por enquanto, estão em abrigos e foram encaminhados para assistência social e psicológica.

- A questão mais delicada é que ela gosta dele. Ela diz que não quer que ele fique preso - afirma a delegada
"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pepe Moreno: e o cego com três filhos aleijados

Faça uma doação para o Brechó Solidário do Centro de Defesa Pe. Marcos Passerini

Expressões da violência no Maranhão serão debatidas em São Luis no Dia Internacional dos Direitos Humanos