Políticos ignoram usuários de crack no Brasil, diz pesquisador da Unifesp

Políticos ignoram usuários de crack no Brasil, diz pesquisador da Unifesp: "

Especialista chama cracolândia de “experiência da legalização” e condena falta de plano




Foto por Lumi Zunica


Apontado como um dos principais especialistas sobre o consumo de crack no Brasil, o médico e pesquisador da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) Ronaldo Laranjeira é também um dos maiores críticos às políticas públicas de combate às drogas promovidas pelos governos brasileiros.

Para o médico, que conversou nesta sexta (7) com o R7 durante o 1º Simpósio Sul-Americano de Políticas sobre Drogas, que acontece em Belo Horizonte, a ausência de um plano para enfrentar a disseminação do crack no país é “apartidária” e se deve em grande parte pela falta de articulação política que os usuários de drogas têm, justamente por estarem debilitados.


- A população de usuários de drogas não se articula politicamente. [...] E não é uma questão de motivação, mas é que às vezes ele [o dependente químico] teve um dano cerebral.


O psiquiatra lembra a importância da pressão social sobre os governantes quando a Aids começou a se expandir no país, na década de 80.


- Quando a Aids surgiu no Brasil, houve uma forte articulação política. Hoje o país é, talvez, o único a fornecer o coquetel de tratamento aos portadores da doença.


Cracolândia


Para Laranjeiras, a “incapacidade” do setor público em se posicionar sobre o uso de drogas é o que faz com que ainda existam “cracolândias” no país, onde o uso do crack é praticamente livre


O médico, porém, alerta para o perigo na existência desses “bolsões de consumo do crack” nas cidades. Logo ao acompanhar alguns dos primeiros anos do consumo de crack em São Paulo, entre 1994 e 1996, ele descobriu que, em apenas dois anos, 13% dos usuários morreram.


- A cracolândia de São Paulo [localizada na região central da capital paulista] é a verdadeira experiência da legalização das drogas, colocada na prática. [...] Que outra doença mata tanto?


Para o psiquiatra, que coordena a Uniad (Unidade de Pesquisa em Álcool em Drogas), embora existam diversas frentes de combate às drogas, falta uma política linear para pautar todos esses núcleos de enfrentamento. Isso, entretanto, custa caro. Ele questiona, porém, o que custaria mais caro aos cofres públicos: tratar, ou não, os usuários?


Estimativa feita com base em dados do censo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas) apresentado na última quarta (5) à Câmara dos Deputados revelou que o número de usuários de crack no Brasil está em torno de 1,2 milhão. O dado foi divulgado no lançamento da Frente Parlamentar Mista de Combate ao Crack.

fonte: R7,Marina Novaes

"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pepe Moreno: e o cego com três filhos aleijados

Faça uma doação para o Brechó Solidário do Centro de Defesa Pe. Marcos Passerini

Expressões da violência no Maranhão serão debatidas em São Luis no Dia Internacional dos Direitos Humanos