INTERVENÇÃO NO PT/MA: “SE TIVER ISSO, VAI VIRAR UMA GUERRA; PODE DIZER QUE VAI MORRER GENTE”, AFIRMA DUTRA

INTERVENÇÃO NO PT/MA: “SE TIVER ISSO, VAI VIRAR UMA GUERRA; PODE DIZER QUE VAI MORRER GENTE”, AFIRMA DUTRA: "

O PT do Maranhão está distante de encerrar a polêmica sobre o apoio à candidatura de Flávio Dino, do PCdoB, em detrimento da aliança com o PMDB da governadora Roseana Sarney, que tenta a reeleição. O presidente do diretório estadual petista, Raimundo Monteiro, anuncia que uma reunião pode modificar a decisão de se coligar aos comunistas, que teve 87 votos contra 85, em 27 de março.

“Nos dias 21 e 22 de maio, vai ter outro encontro para ver a questão das candidaturas de deputados. Se (o partido) achar que (o anterior) deve ser revisto, pode ser que haja uma revisão”, revelou Monteiro.

Contrário a uma aliança com os peemedebistas, o deputado federal Domingos Dutra discorda da validade de novo pleito. “Já tínhamos marcado este encontro, se destina apenas para aprovar os candidatos a deputado estadual, deputado federal, vice-governador, senador e suplente de senador. O encontro estadual não pode rever outro encontro estadual, só o nacional”, afirma.

Monteiro insiste na brecha: “Oficialmente, o encontro que vai decidir candidaturas é o dos dias 21 e 22″. Dutra refuta mudanças. “Não, isso não existe, não tem amparo. É desespero, eles estão sem saber o que fazer com a derrota. Tem recurso, tem pedido de intervenção, e agora estão com essa história. Se tiver isso, vai virar uma guerra porque não pode. O partido tem regras. A primeira etapa foi escolher candidato de fora do PT, foi o que a gente fez, esse prazo já passou”, argumenta.

O líder do PT na Câmara, Cândido Vaccarezza, também espera que o diretório estadual modifique sua opção para que a direção nacional não precise fazer valer sua vontade por uma aliança com o PMDB, mas não entra nos meandros das questões locais. “É tentativa de golpe”, brada Domingos Dutra. “Aí, pode dizer que vai morrer gente aqui porque o encontro não acontece, isso aí é irresponsabilidade. (Se) perderam, perderam. Se o diretório nacional quiser fazer intervenção, faz”, acrescenta.

Sem consenso

Monteiro atesta que o PT maranhense permanece distante de um consenso. “Está dividido, cada metade para um lado. Eu não tenho opinião definida, vou acatar o que for definido”, esquiva-se. Na votação sobre a coligação, ele seguia as diretrizes nacionais, que recomendam acordo com os Sarney, adversários históricos da sigla. “Que fizesse aliança com o PMDB porque é uma estratégia do PT nacional, e o Maranhão faz parte desta estratégia. Minha prioridade é a eleição de Dilma Rousseff. Não adianta eu ganhar o Maranhão e perder o nacional”, diz.

“A gente sabe que o Sarney continua pressionando o presidente Lula. A Roseana deu duas secretarias para o pessoal do PT que apoia ela. Estamos na pré-campanha (de Dino). Não acreditamos que haverá intervenção aqui nem anulação de encontro porque não ferimos nenhuma norma do partido”, opina Dutra.

Lisura da eleição

A escolha pelo PCdoB, em São Luís, foi observada presencialmente pelo secretário nacional de organização do PT, Paulo Frateschi, e pelo presidente, José Eduardo Dutra, que atestaram a lisura do evento. “José Eduardo Dutra veio para cá pedir para todo mundo fazer o encontro político, não ter briga para não repercutir na ministra Dilma, nós acatamos, fomos para lá e enfrentamos a máquina do Estado, estávamos dispostos a aceitar o resultado. Agora, no tapetão assim, não toma não”, reage o parlamentar maranhense. A troca de aliança, então, precisaria ser imposta. “O diretório nacional tem poderes para fazer intervenção. Se entender que a aliança com PSB e PCdoB prejudica a Dilma, ele pode. O problema é encontrar argumento pra isso”, desafia Domingos Dutra.

Nessa esfera, há outro impasse sobre procedimentos legítimos. “Eu considero extremamente difícil (intervir). É preciso 60% do diretório (nacional), haver uma intervenção, destituir a direção estadual”, explica o deputado Dutra. Vaccarezza simplifica o método: “Aprovamos, no congresso (do PT), que quem decide as alianças estaduais é o diretório nacional”. E Dutra analisa: “Politicamente, se o diretório entender que, aqui no Maranhão, para o bem da ministra Dilma, só deve ter o palanque da Roseana, pode. Mas até nisso não resolve porque o Flávio Dino já disse que é candidato com ou sem o PT”.

Intervenção nacional

A alteração da parceria com o PCdoB em favor do PMDB ameaça causar danos à campanha inteira e à participação do PT na política maranhense. “Estamos no PT há 30 anos, não é justo fazer uma intervenção no PT do Maranhão pra matar dois terços do partido. Porque, se houver intervenção, eu e tantos outros não seremos candidatos a nada”, promete Dutra, listando nomes históricos da legenda local.

“A gente ser morto pra dar vida a uma oligarquia? Enquanto a gente lutava para fortalecer o PT e o Lula, eles usavam a máquina deles contra nós, contra o partido, contra o Lula”, denuncia o deputado, em referência à velha rivalidade com o grupo político de Sarney. (Portal Terra)
"COM INFORMAÇÕES DO: jornal pequeno/ Blog do John Cutrim

Comentários

  1. Deu? O Dutra mesmo minimiza a potência do seu partido. Ela nomeou pessoas qualificadas e competentes, que são do PT. Ela quer pregar a harmonia entre os dois partidos para obedecer uma exigência do PT e PMDB e o Dutra fica com essas. E antes ele era só amores com Jackson, agora é Dino desde criancinha. Vá entender.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Comentando os Fatos, uma nova forma de divulgar conteúdo com credibilidade.
Os nossos esforços se concentram no sentido de acrescentar ao nosso publico informações diferenciadas, aquele algo mais que ainda não foi dito, ou ainda não foi mostrado, noticias todos divulgam, o diferencial da informação está aqui em Comentando os fatos, credibilidade sempre em primeiro lugar.

Postagens mais visitadas deste blog

Pepe Moreno: e o cego com três filhos aleijados

Faça uma doação para o Brechó Solidário do Centro de Defesa Pe. Marcos Passerini

Expressões da violência no Maranhão serão debatidas em São Luis no Dia Internacional dos Direitos Humanos