Avanço da saúde do Maranhão gera crise no Piauí

Avanço da saúde do Maranhão gera crise no Piauí: "

Do jornal O Dia, de Teresina (PI):


Teresina – Uma das principais referências de Teresina no setor econômico, o Polo de Saúde da capital está ameaçado pelo avanço da medicina nas cidades do Maranhão, estado de onde saem 40% dos pacientes que buscam atendimento na capital piauiense e contribuíram, ao longo dos últimos 20 anos, pelo já conhecido turismo de saúde de Teresina.


Materia de O Dia mostra que o ppolo de Teresina está ameaçado devido avanço no MA

O Dia mostra que polo de Teresina está ameaçado devido ao avanço no MA


Cidades como Imperatriz, Caxias e Timon estão investindo, nos últimos anos, na melhoria de unidades de saúde de média e alta complexidade, setor que atrai bastante pacientes para a capital do Piauí e tem sido o responsável pelo crescimento de clínicas e hospitais de Teresina. Segundo a Secretaria Municipal de Saúde de Timon, as reformas em hospitais do município até o final do ano vão consolidar o atendimento de referência em mais de 40 cidades do Maranhão, alcançando uma população de 400 mil pessoas.


O presidente do Sindicato dos Hospitais e Clínicas Particulares de Teresina, Antônio Dib Tajra, explica que somente os pacientes de Teresina e do interior do Piauí não são suficientes para manter o Polo de Saúde em funcionamento. “A população da capital é de 800 mil pessoas, mas temos influência em mais de 5 milhões de habitantes e, sem esses pacientes, o sistema não se sustenta”, afirma o médico.


A vizinha cidade de Timon é que mais tem investido no setor de alta complexidade. Há 15 dias, a Prefeitura inaugurou a reforma e ampliação da Policlínica, com realização de procedimentos de tomografia, ultrassom 3D, eletroencefalograma, ecocardiograma e eletrocardiograma e densitometria óssea, que até bem pouco só eram realizados em Teresina. Foram investidos quase R$ 2 milhões, sendo R$ 300 mil em estrutura física e R$ 1,5 milhão em equipamentos.


O secretário de Saúde de Timon, Raimundo Neiva Neto, explica que a reforma da Policlínica vai evitar o deslocamento do timonense para Teresina ou outra cidade. “Queremos tirar o sofrimento do paciente que antes tinha que se deslocar para Teresina, São Luís ou Caxias para realizar estes tipos de exames”, afirma. Com os novos exames, o atendimento do hospital, que hoje é de 8 mil pacientes por mês, deverá triplicar.


A cidade também está investindo, junto com o Governo do Estado do Maranhão, na ampliação do Hospital do Parque Alvorada e do Alarico Pacheco. Este último terá um centro de oncologia e UTI Neo-Natal. Além de ampliação da rede pública, as clínicas particulares do Maranhão também estão investimento mais em equipamentos sofisticados.


Saúde em Teresina deve buscar a excelência, diz Sebrae


A saída encontrada pelos empresários do setor é elevar a qualidade no atendimento no setor de saúde de Teresina. “Hoje, a capital é uma referência nessa área, mas temos que alcançar o nível de excelência. Ou seja, oferecer o melhor serviço e atendimento da região”, comenta o médico e empresário Dib Tajra.


Para agilizar essa mudança, o Sebrae lançou ontem o projeto Polo de Saúde de Teresina – Clínicas Médicas, que visa a melhorar a gestão empresarial das clínicas da capital, por meio da capacitação dos profissionais e resolução de problemas específicos do setor. Leia aqui a matéria no próprio jornal O Dia.

"

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pepe Moreno: e o cego com três filhos aleijados

Expressões da violência no Maranhão serão debatidas em São Luis no Dia Internacional dos Direitos Humanos

Faça uma doação para o Brechó Solidário do Centro de Defesa Pe. Marcos Passerini