Querendo aparecer, Edivaldo Holanda dá tiro no pé

Querendo aparecer, Edivaldo Holanda dá tiro no pé: "
Querendo aparecer a qualquer custo, o ex-roseanista e ainda deputado Edivaldo Holanda (PTC) diz que pedirá ao Ministério Público que apure gastos com publicidade do governo Roseana Sarney (PMDB). Alega que no ano passado a administração estadual gastou R$ 43 milhões (na verdade, R$ 44,5 milhões) em publicidade e propaganda.

Edivaldo precisa abrir os olhos
Edivaldo precisa abrir bem os olhos

O próprio ex-líder do governo Jackson Lago (PDT) poderia aproveitar sua ida ao órgão do Parquet para começar ele mesmo a dar as explicações. Segundo dados oficiais da Secom, de 4 de fevereiro a 8 de abril de 2009, o “governo da libertação”, da qual o deputado fazia parte, gastou R$ 23,7 milhões através da Comunicação.

Foram R$ 18,747 milhões com publicidade e propaganda, R$ 3 milhões com palco e palanque para o Movimento Balaiada e R$ 2 milhões com uma tal de Fapead (Fundação de Apoio ao Ensino, Pesquisa e Extensão). Era essa fundação que empregava jornalistas “balaios” como “bolsistas”. A entidade é ligada à cúpula da Uema e tem como especialidade o trato de sementes de mamona e maracujá.

Se dividirmos esses R$ 23,7 milhões pelos 46 dias úteis (4 de fevereiro a 8 de abril) significa que a administração que Edivaldo Holanda defendeu com unhas e dentes gastou R$ 515 mil por dia útil com “comunicação”. No restante do ano, segundo a Secom, o governo Roseana gastou R$ 20,8 milhões. Isso representa, em 187 dias úteis, cerca de R$ 112 mil por dia, quatro vezes e meia menos que o governo Jackson Lago/Edivaldo Holanda.

O deputado prestará um grande serviço à sociedade com sua denúncia se o MP abrir mesmo a “caixa-preta” da Secom, conforme denunciamos ano passado (reveja aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui).

E agora, ele topa a parada?
"FONTE: BLOG DO DÉCIO SÁ

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pepe Moreno: e o cego com três filhos aleijados

Faça uma doação para o Brechó Solidário do Centro de Defesa Pe. Marcos Passerini

Expressões da violência no Maranhão serão debatidas em São Luis no Dia Internacional dos Direitos Humanos